[Frases & Citações] A Menina Submersa

“Nenhuma história tem começo e nenhuma história tem fim. Começos e fins podem ser entendidos como algo que serve a um propósito, a uma intenção momentânea e provisória, mas são, em sua natureza fundamental, arbitrários e existem apenas como uma ideia conveniente na mente humana. As vidas são confusas e, quando começamos a relacioná-las, ou relacionar partes delas, não podemos mais discernir os momentos preciosos e objetivos de quando certo evento começou. Todos os começos são arbitrários.”

“Algumas vezes, pessoas assombradas chegam a um ponto no qual conseguem afastar os fantasmas ou os fantasmas as destroem. O que piora tudo isso é que tentar arrastar os fantasmas para longe e fechá-los com força onde eles não podem mais nos machucar não costuma funcionar. Acho que nós apenas os espalhamos quando tentamos fazer isso. Você faz uma cópia ou transmite uma parte infinitesimal do fantasma, mas a maior parte fica entrincheirada de modo tão profundo em sua mente que nunca vai a parte alguma.”

“Não acredito em pecado, nem no original nem no outro, mas acredito que as pessoas fazem mal a outras e que imaginar que isso pode ser diferente é apenas pedir para se decepcionar.”

“Ninguém nunca dissera que você tinha de estar morto e enterrado para ser um fantasma Ou, se alguém disse, estava errado. As pessoas que acreditavam nisso provavelmente nunca foram assombradas. Ou somente tiveram uma experiência muito limitada com fantasmas, por isso simplesmente não sabem de nada.”

“Gente morta, ideias mortas e supostamente momentos mortos nunca estão mortos de verdade e eles moldam cada momento de nossas vidas. Nós os ignoramos e isso os torna poderosos.”

“(...)algumas vezes usamos clichês porque não há palavras melhores. Tanto faz.”

“As vidas não se desenvolvem em roteiros ordenados e o pior tipo de artifício é insistir que as histórias que contamos, para nós mesmos e uns para os outros devem ser forçadas a se conformar ao roteiro, narrativas lineares de A a Z, três atos, os ditamos de Aristóteles, ação elevada e clímax e ação decadente e, em especial, o artifício da resolução. Não vejo muita resolução no mundo; nascemos, vivemos e morremos, e no fim disso há somente uma confusão feia de negócios inacabados.”


“Quero ouvir o meu eu real, não o eu falso, inconstante, cujos pensamentos verdadeiros estão todos confinados e escondidos em uma mala debaixo da minha cama onde ninguém poderia ser atingido por frases tão afiadas quanto navalhas.”

0 comentários:

Postar um comentário